Bateria de Condensadores

Energia Reactiva é uma forma de energia que não produz trabalho, mas que é necessária ao funcionamento da grande maioria dos equipamentos eléctricos ou electromecânicos nas diversas instalações de utilização energética.

Este tipo de energia tem um custo que pode ser eliminado da sua factura energética, se o seu factor de potência estiver estabelecido em valores próximos a 100%, ou seja, 100% da electricidade que passa através do contador está a ser utilizada de forma eficaz, sem haver perdas de energia reactiva. O factor de Potência varia entre valores de 0 a 1 (0 a 100%), sendo que 100% seria o valor ideal, sendo que na realidade este é um valor apenas teórico. Para cálculo da energia reactiva a facturar utiliza-se o factor tg φ, que se define como o quociente entre a energia reactiva e a energia activa medidas no mesmo período.  Quanto maior for a tg φ menor será o Factor de Potência e maior será a energia reactiva a transitar nas redes.

Em 1 de Janeiro de 2011 entrou em vigor o escalão correspondente a tg φ ≥ 0,5 e em 1 de Janeiro de 2012 entrou o referente ao escalão 0,3 ≤tg φ < 0,4 e ainda a introdução do período de integração diária no cálculo para os clientes MAT, AT e MT.

Normalmente numa instalação convencional o factor de potência estará abaixo dos 84%, pelo que implicará um custo adicional cobrado pela rede de distribuição energética. Para aumentar o valor anterior é necessário aplicar uma correcção (compensação ou melhoria) ao factor de potência, e para tal, é necessário instalar equipamentos de correcção, ou seja, baterias de condensadores, que funcionam como geradores que fornecem aos equipamentos eléctricos a energia reactiva necessária para a manutenção do campo electromagnético evitando assim as elevadas facturações pelo consumo de energia reactiva provenientes do seu fornecedor de energia.